News
Loading...

Momento Nostalgia: Sixpence None The Richer

Por colaboradora: Débora Blair

É prazeroso trazer à memória algumas personalidades, bandas, grupos, enfim, influências que marcaram momentos, situações e contextos de nossas vidas e nos inspiraram de alguma forma. Ando me lembrando muito ultimamente da banda norte-americana Sixpence None The Richer. Alguém aí curtia?? Se sim, “nostalgie-se” comigo! Se nunca ouviu falar, tá esperando o quê pra dar um click no YouTube e conhecer??

Foto: Divulgação

A banda cristã de Pop Rock com influências da “invasão britânica anos 60” e também dos estilos Alternative rock, Classic rock e Melodic rock formou-se em 1992 a partir da vocalista Leigh Nash e do guitarrista Matt Slocum. Seus dois primeiros álbuns foram lançados em 1994 e 1995, mas o auge do sucesso de Sixpence só veio em 1997 com o lançamento do single “Kiss Me”, bombando nos EUA e no mundo marcando com personalidade o estilo Pop Rock do final dos anos 90. Outras canções que se tornaram famosas são “Breathe your name”, de 2002 (álbum Divine Discontent), e as regravações de “There she goes” em 1997 (original de 1988 da banda inglesa The LA’s) e “Don’t dream it’s over” em 2002 (original de 1986 da banda neozelandesa Crowded House).

Suas principais canções viraram trilhas de grandes filmes, como Ela é Demais, Como Perder um Homem em 10 dias e Não é Mais um Besteirol Americano, e também séries – Dawson’s Creek, Gilmore Girls e Smallville.

A banda anunciou seu fim em fevereiro de 2004, e seus dois principais integrantes seguiram rumos diferentes – Leigh Nash investiu em sua carreira solo e Matt Slocum formou um novo grupo. Para alegria dos fãs, em novembro de 2007 Nash e Slocum resolveram reatar os laços musicais e retomar a banda. Anunciaram o retorno de suas turnês em 2008, gravaram mais alguns EP’s e coletâneas e não pararam até 2012, quando lançaram o álbum “Lost in Transition”. Porém, desde 2014 não há mais registros de atividades da banda – turnês, shows e gravações de seus trabalhos.

Por isso, a nós, fãs, só nos resta o saudosismo e a nostalgia – ouvir, ouvir de novo, lembrar, recordar, curtir e viver.
Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário