News
Loading...

Exposição – Retrospectiva da artista Ana Maria Tavares na Pinacoteca

Por colaboradora Monise Rigamonti

Acontece na Pinacoteca a exposição “No lugar mesmo: uma antologia de Ana Maria Tavares” com curadoria de Fernanda Pitta, a mostra é uma retrospectiva dos 35 anos de carreira da artista Ana Maria Tavares, a exposição é composta por mais de 160 obras da artista, mostrando suas principais produções dos anos 80 até os dias atuais, ocupando sete salas do primeiro andar do edifício da Luz (Pina_Luz), assim como os espaços do octógono, lobby e corredores do mesmo andar. A exposição ganhou o prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) na categoria Artes Visuais, como melhor exposição retrospectiva de 2016. 

“Exit III com Parede Niemeyer”  - Divulgação

Ao entrarmos na instituição, logo somos seduzidos a contemplar a exposição onde nos deparamos com a instalação “Atlântica Moderna” (2016) em composição com os corredores pintados de preto e branco inquietando uma articulação inicial com a poética da artista. A pintura na parede, provoca uma contraposição conceitual e estética entre a memória do edifício e de uma sociedade com relação ao modernismo e a contestação/ruptura do passado, o ambiente nos envolve pela estética das cores e dos materiais metálicos provocando uma sensação de pertencer ao um outro ambiente. Seguimos para as salas onde se encontra propriamente a retrospectiva da artista, nos deparamos tanto com trabalhos em início da sua produção quanto com obras mais atuais.  

    Atlântica Moderna (parte 1 - detalhe) - Divulgação 

Uma obra que se destaca nesse circuito da exposição é a videoinstalação “Utopias desviantes – da série Hieróglifos Sociais - 2015” (12’54”) em que somos transportados para um outro espaço-tempo. Para alguns o vídeo pode causar vertigens (inclusive há placa avisando sobre isso), para outros pode causar uma sensação hipnotizadora, de pertencer a algum outro lugar como se estivesse andando em uma “cidade futurista” descrita em livros e filmes de ficção científica, também pode lembrar as primeiras obras do modernismo como por exemplo o “Nu descendo a escada” de Marcel Duchamp, pois provoca a sensação de estar subindo e descendo de lugares como avenidas ou lugares projetados nos espelhos dos prédios da cidade, gerando uma articulação com o espaço urbano conhecido e vivenciado por nós. 

“Utopias desviantes – da série Hieróglifos Sociais - 2015” - foto:  Monise Rigamonti 

Depois de sairmos da salas, prosseguimos para o Octógono, onde se encontra uma instalação “Exit III com Parede Niemeyer” (2016) composta por uma parede de espelho que cobre todo esse espaço pertencente ao prédio, vemos nossos corpos e o corpos de outras pessoas refletidos em todas as paredes, proporcionando uma outra percepção do espaço, no meio da sala encontramos uma escada de avião onde é possível escutar um áudio descrevendo sobre o caos urbano da cidade de São Paulo, gerando uma sensação caótica, de não pertencimento ao aqui e agora, e sim de pertencimento a esse caos como se nosso corpo e nossas moléculas integrassem cada parte desse caos que vivenciamos na realidade do nosso dia a dia.

Para finalizarmos a exposição podemos dar sequência há uma outra sala onde encontramos mais alguns objetos, vídeos e instalações da artista. O trabalho da artista proporciona um questionamento sobre as questões de mobilidade, deslocamento, espelhamento, rotação, labirinto, entre outras.  

Serviço
No lugar mesmo: uma antologia de Ana Maria Tavares
Pinacoteca de São Paulo
Praça da Luz, 2, Luz, São Paulo
Exposição de 19/11 até 10/4/2017
De quarta a segunda-feira, das 10h às 17h30 com permanência até as 18hrs. 
Ingressos: R$ 6 (inteira) R$ 3 (meia), gratuito aos sábados 
FanPage: facebook.com/PinacotecaSP/

Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário