News
Loading...

Porque sempre é delicioso assistir Cantando Na Chuva!

Por colaboradora: Mila Poci

E antes de ver La La Land....

Clássico! Todas as cenas, falas, cenários, figurinos são clássicos. Pegue sua pipoca, aconchegue-se no sofá e cante junto, ria de novo e de novo.

Foto: Divulgação

Diversão de primeira linha tem produção impecável, sem tecnologia avançada, mas conta com artistas de várias cearas; sejam cenógrafos, figuristas... Até os atores fazem um trabalho de artesãos, incluindo as divertidas cenas de “meta-cinema”; com um pouco de história do entretenimento, e a surpreendente (e fantasiosa, mas para isso vemos filmes, não?!) invenção da dublagem...

Gene Kelly, impecável bailarino e coreógrafo, já investia na direção, neste Cantando na Chuva. Impossível não se lembrar da cena da música tema; copiada até a exaustão; faz um galã de filmes mudos sensível, de passado mambembe que agora famoso, tem a carreira ameaçada pelo recém-inventado cinema falado; comprometendo também seu inseparável amigo o músico Cosmo (Donald O’Connor); que perderá o emprego como criador de trilhas sonoras. E não é só isso: sua  parceira de cena, tão linda quanto de dotes artísticos limitados; tem voz horrível.

Foto: Divulgação

Por feliz coincidência; entra em cena a aspirante a atriz Kathy (Debbie Reynolds, a mãe da “princesa Lea”—Carrie Fisher; de uma graça e delicadeza que permaneceram até seu falecimento, este ano; aos 84), baixinha e de boa voz; arrebatando o coração de Don (Gene kelly). Está aí montado o triângulo amoroso, a tradicional história da gata borralheira e pano de fundo pra canções lindas, enfeitadas por figurinos fantásticos e coreografias encantadoras.

Volte ao bom cinema de 1952 e viaje aos anos 20. Mais clássico impossível!
Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário