News
Loading...

Entrevista com nosso LeFou: Alírio Netto

Por colaboradora Veronica Costa

Cantor (vocalista das bandas Age of Artemis, Heavy Pop, Khallice e Lince), ator de teatro musical, protagonista de espetáculos como Jesus Cristo Superstar, em que viveu Jesus na versão mexicana, no ano 2000. Anos mais tarde viveu o personagem Judas Iscariotes na versão brasileira do musical sob direção de Jorge Takla. Em 2015, Alírio dá vida a Galileu, no musical 'Will We Rock You'. Preparador vocal e dublador, Alírio Netto já emprestou sua voz para outras produções da Disney. 

Em meio a tantas atividades, Alírio Netto conversou com o Acesso Cultural, sobre o seu mais novo trabalho como dublador, falou sobre desafios do personagem, a relação com a direção e o convite para participar desta produção. Alírio da voz ao personagem Lefou, na versão dublada do clássico A Bela e a Fera. Confira a entrevista!

Foto: Priscila Tessa

Acesso Cultural: Você e outros grandes nomes do teatro musical emprestam suas vozes aos personagens deste clássico. Como surgiu este convite e como foi esta experiência?

Alírio Netto: Na verdade, foi o seguinte o diretor já me conhecia de outros trabalhos e me chamou para fazer o teste. Aí, eu tive que gravar a música do personagem e gravar uma cena. Pouco tempo depois os caras já tinham me respondido dizendo que eu tinha passado no teste e o papel era meu. Eu fiquei feliz pra caramba, né? Por que eu já tinha feito duas dublagens para a Disney, mas como cantor, não cantando e atuando.

Reprodução / Internet

AC: Dublar o Lefou numa versão live-action, que é a mais próxima da animação de 1991, no sentido de canções clássicas, figurinos e algumas cenas fiéis, traz uma certa responsabilidade. Como você se preparou para viver esta versão?

AN: Em relação a preparação, isso é algo até interessante por que, claro, fui buscar como era o desenho, como tinham feito. Mas acabou que a direção foi para outro lado,  porque é um live-action, não é um desenho propriamente dito, né? Então, eu tive muita liberdade para propor algumas coisas, mesmo com a direção da Disney  a gente acabou encontrando um equilíbrio muito legal e eu fiquei feliz com o resultado.

Reprodução / Internet

AC: Cantor de ópera, vocalista de renomadas bandas da cena do heavy metal, ator de teatro musical, preparador vocal, entre outras habilidades. A dublagem chegou a ser um desafio para você? Por quê?

AN: Foi muito desafiador, eu realmente nunca tinha feito uma dublagem falada, é muito difícil, mas eu me diverti demais. Eu acho que consegui render bem perante o diretor, que foi um cara muito paciente...é muito difícil porque você tem pouco tempo para fazer uma quantidade muito grande de textos e gravações de músicas e tal...Volto a dizer: fiquei feliz com o resultado.

AC: Para interpretar a música “Gaston”, diferente da versão inglês de Josh Gad, você trouxe alguns elementos voltados à opera. Como foi esta escolha?

AN: Essa interpretação mais operística, na verdade, ela ficou no meio do caminho, né? Foi uma proposta do diretor, ele queria muito a minha característica vocal e tentou explorar ao máximo essa versatilidade que eu consigo ter (vocalmente) ... Então ele pediu para que eu fizesse algo mais para teatro musical, em alguns momentos algo mais falado, em outros algo um pouco mais caricato e com isso ele conseguiu o equilíbrio que fez a diferença para eles (direção da Disney).

Reprodução / Internet

AC: E como não podemos deixar de falar sobre as polêmicas envolvendo o longa, antes mesmo da estreia mundial, em relação a nova versão a qual fica evidente a paixão de Lefou por Gaston, de quem ele é o braço direito. É possível perceber uma grande admiração da parte de Lefou, ora querendo ser como Gaston, ora apaixonado pelo amigo. Como você sentiu este personagem?

AN: Esta polêmica toda...se Lefou é ou não é gay, ou se ele é ou não apaixonado pelo Gaston, não faz o menor sentido nos dias de hoje onde a gente vive, saca? Então, independente dele ser apaixonado pelo amigo ou pela figura do homem, a história de A Bela e a Fera é uma história de amor, né? E eu acho que esse é só mais um núcleo de amor diferente ali. E é claro, que é voltado para a comédia. Então é muito engraçado você ver o Lefou se derretendo pro lado do Gaston e o Gaston dando um monte de 'toco' nele. Isso deixa a coisa um pouco mais divertida e engraçada. Não tive nenhum problema, não me senti mal de forma alguma fazendo esse papel. Como artista eu me empresto para o personagem, né? E eu segui exatamente a direção que os gringos me pediram e eu não vi nada demais nessa polêmica toda aí. Fiquei muito feliz com o resultado.
Share on Google Plus

1 comentários :