News
Loading...

Resenha: As impressões do filme Madame

Por colaborador Cristian César

Iniciar a trama com a música 'Rock'n'dollars' de William Sheller é uma cartada magnífica para quem promete transitar entre o drama e a comédia num estalar de dedos. É de ficar boquiaberto com a atuação de Rossy de Palma (Maria, em questão, a Madame) que aparenta ser uma senhora vislumbrante ao mesmo tempo em que é obrigada a se sentir presa em seu cargo e suas roupas. 


Foto: Divulgação

O filme põe em xeque toda a questão de superstição quando Anne Fredericks (Toni Collete) se incomoda ao ter 13 convidados sentados em sua mesa e convoca imediatamente sua governanta para agregar mais um número e formar o décimo quarto membro da mesa. O que ela não imagina é que isso pode acarretar em uma história fervorosa de amor que toma toda a atenção do espectador e provoca um misto de sentimentos, fazendo transitar do amor ao ódio e do sorriso às lágrimas em questão de minutos. Durante toda a trama, a ideia de que todos gostam de um final feliz é colocada em pauta.

Foto: Divulgação

Debates de questões sociais, luta por igualdade e exemplos de que a vida, o amor e a felicidade vão além do que o dinheiro pode oferecer são semeados no público constantemente, no longa é diferente. A trama deixa isso muito bem claro, de fato, mas de uma forma crítica, de maneira mais convincente e firme, levando o público à uma sensação de indignação e de indagações como 'até aonde o ser humano vai por dinheiro?'

Foto: Divulgação

Para os amantes de comédias dramáticas, é uma excelente pedida com uma promessa de envolvimento completo durante os 90 minutos de filme, mas que fique registrado, Madame vem para mostrar como a vida realmente é, e não para alimentar as ideias de contos de fadas e princesas que terminam suas histórias com o 'felizes para sempre'. O longa estreia hoje em grande circuito. Aperte o play e confira o trailer. 

Share on Google Plus

1 comentários :

  1. Gostei!!! "Até eu que não sou um amante da sétima arte achei interessante, um enredo menos ficcional e mais real" (Andrei, estudante de jornalismo).

    ResponderExcluir