News
Loading...

Com direção de Marcelo Varzea, espetáculo A Porta da Frente estreia neste fim de semana

Marcelo Varzea dirige comédia ácida e muito divertida, com premiado texto de Julia Spadaccini, que beira tragédia rodriguiana

Por Andréia Bueno

Lenita (Sandra Pêra) e Rui (Roney Facchini) tem um casamento morno e sem graça. Não se olham, não se enxergam e vivem suas vidas sem grandes paixões ou perspectivas. Estão frustrados com a união, com seus planos, mas não conseguem fazer nada de diferente para melhorar a situação. São pais de um casal de gêmeos estranhíssimos, dois jovens estudantes (Greta Antoine e Bruno Sigrist),  que sofrem com a falta de atenção dos pais. Nessa casa mora também Dona Marilu (Miriam Mehler), mãe de Lenita, talvez a mais lúcida desse núcleo.

Lenita (Sandra Pêra), Rui (Roney Facchini) e Dona Marilu (Miriam Mehler) - Foto: Divulgação

Uma nuvem de insatisfação e resignação paira sobre tudo e todos, até que um novo vizinho ocupa o apartamento em frente e aquele mundinho sofre sucessivos abalos e começam os inevitáveis e inacreditáveis conflitos.  

Sacha (Fabiano Medeiros) é “crossdresser” assumido e professor de canto. Essa ambiguidade faz de Sacha uma figura muito peculiar, que mexe com o imaginário de todos. Além de se incomodarem com o barulho das aulas de canto, nenhum deles sabe como lidar com aquela figura tão diferente e bizarra do ponto de vista de suas caretices. Mas, apesar de ser demonizado pelos vizinhos, Sacha é um homem de paz. É muito refinado, educado e simpático.

O texto de Julia Spadaccini, considerado um dos mais impactantes de 2013, vencedor dos Prêmios Shell do Rio de Janeiro e Fita, gira em torno das relações que cada personagem dessa família vai criando com esse novo morador. Sacha com sua postura liberta diante dos preconceitos da vida dá, sabiamente, uma lição de amor e uma injeção de atitude para essa família que está estagnada e fechada em seus velhos conceitos do que é normalidade.

“Queria falar de intolerância, limitação. O crossdresser é um personagem indecifrável. Li uma matéria sobre uma mulher que descobriu que o marido era. Ela quis se separar, mas, depois, voltou pra ele. Há uma falta de cuidado das pessoas no olhar com o outro,” avalia a autora.

Com direção de Marcelo Várzea e produção de Selma Morente e Célia Forte, que buscam investigar o comportamento humano através das histórias que a Morente Forte realiza ao longo de sua trajetória, A Porta da Frente fala de preconceito e dos formatos das intuições, como casamento e família, que precisam ser repensadas. “Precisamos ampliar nossos olhares, vivemos querendo classificar pessoas em todos os sentidos. Esta na hora de falarmos sobre tolerância. E dela podemos vir a criar uma oportunidade real de comunhão. A Julia foi muito feliz na carpintaria desse texto, onde alterna gêneros, promovendo uma tomada de consciência vertiginosa. O publico cai no colo dos carismáticos e preconceituosos personagens. Entretenimento e poderosa reflexão. Trabalhar com esses atores e descobrir todas essas cores propostas pela autora tem sido extremamente apaixonante”, conta Varzea.

Serviço
A PORTA DA FRENTE
Teatro Renaissance (440 lugares)
Alameda Santos, 2233
Informações: 3069.2286
Bilheteria: Quinta, das 14h às 20h. Sexta a domingo das 14h até o início do último espetáculo. Pagamento em dinheiro e cartões.

Sábados às 19h e Domingos às 20h

Ingressos:
Sábado R$ 80 | Domingo R$ 70

Duração: 80 minutos
Recomendação: 12 anos
Gênero: comédia ácida

Estreia dia 07 de Julho de 2018
Temporada: até 09 de Setembro
Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário